quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Tudo junto agora


Entramos na fase tudo junto ao mesmo tempo agora! Dieta certinha supervisionada + atividade física. Semana passada não tinha feito nada porque (espertamente) deixei cair uma gaveta em cima do meu dedinho, o que causou não só dor, mas uma impossibilidade de correr por uns dias. Uma semana depois, a engrenagem funciona a todo vapor! Dieta certinha e corridinha! Agora vai, gurias!!

E a dica de hoje tem a ver com adoçantes. Acho que todo mundo que decide emagrecer, imediatamente compra um  adoçante para ir cortando o açúcar. Como na minha família temos muitos diabéticos, os adoçantes sempre fizeram parte da minha vida, por isso não foi nada difícil me adaptar a eles. Mas antes de falar mais sobre isso, vamos aos tipos de adoçante disponíveis no mercado:


Adoçantes naturais
Frutose - Extraído de frutas e do mel é mais doce que o açúcar, contém grande quantidade de calorias e eleva os níveis de açúcar no sangue, não sendo indicado para diabéticos e para dietas de restrição calórica;

Esteviosídeo - Extraído de uma planta nativa da América do Sul (stevia rebaudiana) tem um sabor próximo ao açúcar, não possui calorias e não altera os níveis de açúcar no sangue;

Sorbitol - É encontrado em algumas frutas, como a maçã e a ameixa, e em algas marinhas. Possui valor calórico e não é recomendado para diabéticos. É mais utilizado em chicletes, balas e biscoitos. Tem ação laxativa;

Adoçantes artificiais
Aspartame - Tem grande poder adoçante (200 vezes superior ao açúcar). Não contém calorias e seu uso é permitido para diabéticos.

Sacarina - Criada em 1879, ela é sintetizada a partir do ácido toluenossulfônico, derivado do petróleo. Deixa um sabor residual amargoso e metálico, mas não contém calorias e pode ser usada por diabéticos. Por conter sódio, é contraindicada para hipertensos.

Ciclamato de sódio - Provém do ácido ciclo hexano sulfâmico, derivado do petróleo. Assim como a sacarina, não possui calorias e pode ser usado por diabéticos, mas também é contraindicado para hipertensos. É encontrado em refrigerantes zero e adoçantes.

Sucralose - É extraído da cana de açúcar e modificado para não ser absorvido pelo organismo humano. Tem um sabor similar ao do açúcar, não contém calorias, não causa cáries, não eleva a glicemia, podendo ser consumido por diabéticos, gestantes e hipertensos. É vendido como produto adoçante e está presente em alimentos de baixa caloria.

Acessulfame K - É isento de calorias, pois não é metabolizado pelo corpo, sendo excretado inteiramente na urina. Possui poder adoçante duzentas vezes maior que o açúcar e suporta altas temperaturas. No entanto apresenta sabor residual amargo, por isso é utilizado pela indústria combinado ao aspartame ou ciclamato de sódio.



Eu nunca fui fão dos adoçantes a base de aspartame, porque parece que deixa tudo com gosto de remédio. Ainda gosto bastante dos feitos com sacarina (muitos deles combinam sacarina com ciclamato de sódio), mas tenho procurado usar os esteviosídeos, aqueles feitos a base de Stévia, uma plantinha que tem aos montes por aqui, mas o povo não dá bola. Minha opção tem sido por eles justamente porque são mais naturais. O importante é não exagerar na dose, nem se for com adoçante, tá? ;)


3 comentários:

Anita disse...

dicas bem bacanas, curti o post.

http://anitamakingof.blogspot.com.br/

Paula Coruja disse...

Que bom, Anita! A gente tá aí é pra se ajudar mesmo!

Sempre bom te ver por aqui!

beijcas

Regiane 'Carrie' Alencar disse...

Eu vivo na luta pra me livrar do açúcar, foi indicado os de sucralose e stévia. Não é a msm coisa q açúcar, claro, mas tenho q fazer um esforcinho. rs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...